Postagens

Mostrando postagens de 2017

Talvez seja amor

Imagem
Qual o fio condutor que nos une enfim? Pensei exaustivamente; criei diversas situações inventei hipóteses de tanto matutar, confabular com os  botões que abriram em flor, nasceram com um pouco de dor, acredito por fim que seja amor.


Roda

Imagem
A pele que conquista
também aparta.
A palavra que regojiza
também cala.
A ideologia que ilumina
também mata.




Memórias caboclas

Falando para o vento
Palavras perdidas
no tempo,
memórias da ancestralidade cabocla:
do mutirão
o beneficiamento
da farinha
a fornalha acessa
do café pilado
da cana doce em tirinha.

Falando para o tempo
pedindo que refresque
histórias de Sophia
do medo da noite
do banho de tina
dos laranjais em flor
da menina que lá vivia.

Narcisa

Imagem
O ventre verte
rios de gozo
deleite-se
plena
presentei-se
serena
linguagem mútua
nua
simplesmente gosto.



Saciada

Imagem
Quando degustou a uva
fiquei excitada
lembrei-me daquela tarde escusa
quando lambeu-me
dos pés até os lábios
dos lábios grandes
ao meu ventre largo
sugando-me por inteiro
líquido quente celebrado
num gemido
num suspiro
clandestinamente desejado.

Lucrécia

Traga-me um cálice de veneno,
hoje vou matar você em mim
ceifar o sentimento
queimar o pensamento
eliminar qualquer resíduo
de lamento
chega!
de amar em segredo
degredo do coração
chega de perder o tempo
chega de caminhar sem direção.

Gilbertiano

Acordei gilbertiano o dia
abrindo os olhos com poesia
numa alegria incontida
pelo simples fato,
de ter sonhado contigo.

"E onde quer que eu vá no mundo, vejo a minha torre
É só balançar
Que a corda me leva de volta pra ela:"

Atados

Imagem
Estamos sós,
os cômodos vagos
sem luz nem lastro,

caso estagnado
basta um riso
singelo e raso.

Estamos separados
juntos ao acaso
sem coragem
de fato.

Estamos fortalecendo
os nós.

RENOVADA

Estou organizando os papéis
Esvaziando pastas, Eliminando as caixas,  Limpando os tonéis.
Estou esmerilhando o chão Tirando tapete Varrendo debaixo dele Raspando a compaixão.
Estou lixando as asperezas Lavando tristeza Cortando a indelicadeza Espantando incertezas.
Estou correndo riscos Rindo sozinho Renovando meu caminho Recuperando o coração.
Imagem
Volto ao meu lar
lugar incomum
berço das minhas memórias
dores, risos, gozos
e outras histórias.

Sem revolta
sem promessa
sem pressa
sem lugar.

volto para mim
um "eu" vacilante
que oscila
entre mim e ti.


Sem riso

Imagem
Perdi o riso em algum lugar, 
estava tão distraída 
ele foi de mansinho.
Acho que foi para não voltar.


Suspeitos

Ele me chama
O silêncio me atrai Traço um paralelo Elo fraco  nos une Não estamos imunes reféns sem desvelo Apenas cúmplices banais.

Proposta

Voz ao pé do ouvido:
"TE Quero"
arrepio!!!

Registros fugaz da minha existência

Imagem
Fui para o meu paraíso particular.
Esqueci do tempo, os dias fluíram conforme a maré. Saboreei cada instante O coração e a alma foram banhados pelo mar nas águas frias das manhãs nas águas mornas do entardecer na areia deixei pegadas minha silhueta projetada  marca indelével do meu ser.



CÚMPLICE

Imagem
OLHO QUE TUDO VÊ BOIA POR ENTRE NUVENS NÃO SE ASSUSTE ELA NÃO SABE QUEM É VOCÊ.

Bota fora

Imagem
Ela escolheu a segunda sexta-feira do ano para botar  a papelada em ordem. Acordou disposta a tudo, jurou que não ia salvar nada. Pegou os papéis aninhados nas caixas que reaproveitou da última mudança.  No primeiro ato deparou-se com uma cartinha do filho aos 6 anos de idade, que escreveu em letras garrafais "MELHOR MAMÃE DO BUNDO, BETO" - sim, Beto tinha problema de disgrafia e dislalia  - Este probleminha deu muito trabalho para "consertar" muita terapia, fonoaudiólogo... Inclusive quando ele fica nervoso troca tudo, fala um idioma que ninguém entende. Mas como se desfazer de tão doce lembrança,  ela ficou com dó e guardou.  A seguir encontrou umas cartas que ela escreveu quando passou férias em Olinda, com apenas 16 anos. Era semana de Carnaval subindo e descendo as ladeiras incansávelmente, tinha energia para dá e vender, foi lá que fumou o primeiro cigarro, um vício que perdura até hoje. Já iniciou vários tratamentos, parava por algum tempo e depois voltava, sa…

Amoral

A indiferença é arma dos covardesPrefiro a guerra, a lança, a dançaDescompasso em perfeito passo tangenciando o dramana cama não sobra espaçosimplesmente inconsequentespor ânsia sortilégio engendrado alquimia dos apaixonadosfinda-se sem deixar lembranças.Vai e vem delinquenteRasgo na pele, Pulso quentecio latente