Luna Rosa



Ele se sentou na mureta da praia, só algumas pedras e um par de léguas afastavam seus pensamentos da Luna Rosa. A família ao redor, conversas banais, olhares dispersos, mãos falantes e a solidão era forte demais. E a Luna boiando segura e muda no céu e a vontade de beijá-la era inevitável. O rosto  dela não aparentava o fulgor de vinte tantos anos passados, mas o seu sorriso infantil mantinha-se lá nas falhas de seus dentinhos desiguais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Síndrome de pavão

Atados